Quem É Você Alasca?

Imagem retirada do site submarino.com.br
Imagem retirada do site submarino.com.br

E hoje estamos com mais um livro de John Green, Quem é Você Alasca?,  que #TemQue, sério mesmo!!

Se lembra que eu falei que adorava julgar os livros pela capa? Então, eu também adoro julgar o livro por seu nome, e presta atenção, esse livro tem o pacote completo:

Capa = Sensacional!

Título = OMG!!

Conteúdo = Jesus não deixa esse livro acabar!!!

Vocês já viram a capa e o título, agora bora pro conteúdo.

Tem gente que gosta daquelas frases construtivas que te levantam a moral (“Você é melhor do que isso!!”, “Quem acredita sempre alcança”, “batatinha quando nasce..e blábláblá), tem gente que gosta daquelas palavras românticas e tem gente, como nosso protagonista Miles Halter, que gosta pelas últimas palavras das pessoas antes de elas morrerem o.O. Sim, eu pensei a mesma coisa, o cara é mórbido! #sqn. Ele se atrai por essas frases, pois elas significam a última chance das pessoas de expressar algo que possa ajudar as pessoas com vida a viver melhor, porque elas podem ter essa chance. E o Miles é um cara solitário, no friends, no love, então se apega a esta, como posso dizer? Fascinação, para não se sentir o  Forever Alone, e assim vai vivendo, até que encontra a frase do poeta François Rabelais: “Saio em busca de um grande talvez” , e tem uma ideia.

Decidido que não quer saber o significado da frase só quando morrer, ele vai para Culver Creek, uma escola onde alguns de seus familiares estudaram, apesar de os pais acharem que o garoto vai para o Alabama só por conta desse fato, ele enfatiza sua decisão. Já no colégio, faz amizade com Chip, o Coronel, aluno bolsista com uma capacidade fascinante de guardar inúmeros dados na mente. Este tem medo dos Guerreiros de Dia de Semana, que são o pessoal da elite que vai pra casa de seus pais no fim de semana. Através deste garoto, Miles conhece o Takuma e Alasca, uma garota de lindos olhos verdes. Miles, claro, se encanta pela garota, mas percebe que tem um gênio forte e que há algo de enigmático nela, sem contar que aos olhos de todos os meninos, é uma pessoa muito sensual. E já contei que ela tem namorado? Pois é, ela tem, o Jake, ele toca baixo em uma banda.

Mas realmente se chama Alasca? Sim, os pais optaram por deixá-la escolher o próprio nome, ela quis este porque, bem, ela queria morar no Alasca, criativa.

Miles percebe que tem algumas coisas em comum com Alasca, por exemplo, ela ama literatura, e é por meio dela que ele vê uma frase em um livro de Gabriel Garcia Marquez “Como sairei deste labirinto?”

A frase é um pouco vaga, mas se pensarmos melhor, está querendo dizer algo sobre a profundidade do pensamento da menina. Será que ela quer fugir de algo, Miles também quer saber.

Eu não vou ficar falando muito mais a respeito, porque daqui a pouco vou começar a falar vários spoilers, e não vai ser legal, não é mesmo? Mas vale a pena ler, John Green apareceu para trazer uma nova literatura para nós leitores, seus livros são pequenos, e apesar disso, o começo, meio e fim são completos, o que faz você pensar que o livro poderia conter mil páginas, mas se não fosse escrito com aquelas palavras e linha de pensamento não seria a mesma coisa.

Bem , a resenha está dada, espero que aproveitem o livro, porque ele é muito #TemQue.

Comentários, críticas ou sugestões? São sempre bem-vindos!!

Compare os preços deste livro clicando aqui.
Ou veja o preço na loja de sua preferência:
Cultura Saraiva Submarino
Bruu
Bruu

Especificações técnicas:

ISBN: 8578273427

ISBN-13: 9788578273422

Idioma: português

Encadernação: Brochura

Edição:

Ano de Lançamento: 2010

Número de páginas: 240

Editora: Martins Fontes

Fonte: Livraria Cultura

Pesquisas recentes:

Moral do livro Quem é você Alaska?
Bruu

Bruu

Viciada em leitura, mas apaixonada por números, o ápice da contrariedade. Tem uma queda maior por romances e finais felizes, mas ama as lágrimas que os livros de drama causam. A meta do ano é publicar um livro próprio. A meta da vida é viver e ler, mesmo quando não puder mais.
Bruu

Bruu

Viciada em leitura, mas apaixonada por números, o ápice da contrariedade. Tem uma queda maior por romances e finais felizes, mas ama as lágrimas que os livros de drama causam. A meta do ano é publicar um livro próprio. A meta da vida é viver e ler, mesmo quando não puder mais.

E aí? Gostou? Comente aqui o que você achou!