Entrevista com Tabitha Suzuma

Tabitha SuzumaVocês se lembram de um post que fiz sobre o livro Proibido, da escritora Tabitha Suzuma? Se não, não tem problema! Basta clicar aqui para conferir!

Como vocês podem ter percebido, o livro aborda uma história um tanto polêmica, e isso nos faz pensar (pelo menos a mim) “o que levou a escritora a falar sobre isso?”. Pensando nisso, a Folha de São Paulo fez uma entrevista muito interessante com a escritora, que nos ajuda a entender um pouco melhor o seu mundo. Ela fala sobre o que a levou a escrever sobre incesto, se existe alguma identificação com os personagens do livro, sobre sua luta contra a depressão, entre outras coisas.

Confira abaixo a entrevista:

 

“Folha – O que os personagens de “Proibido” têm em comum com você?Tabitha Suzuma Proibido Resenha Capa Livro

Tabitha Suzuma – O instinto maternal de Maya é definitivamente algo que compartilho. Eu cresci como a mais velha de cinco filhos e passava bastante tempo cuidando dos caçulas. Minha irmã menor, que nasceu quando eu tinha dez anos, me chamava de “mamãe”. Quando eu tinha 14, meu irmãozinho nasceu e eu caí fora da escola enquanto minha mãe estava com ele na maternidade. Nunca voltei à escola, continuei estudando em casa. E durante seus 12 primeiros anos de vida era eu quem cuidava mais dele.

Quando está escrevendo um livro, foca leitores específicos?

Em “Proibido”, imaginei que meus leitores tivessem a partir de 16 anos. E também senti que os adultos pudessem gostar do livro, já que nunca simplifiquei a história ou o estilo para adolescentes. Pensei que mais meninas do que meninos iriam gostar, mas fiquei agradavelmente surpresa quando muitos garotos me escreveram para dizer que haviam gostado.

Abordar um incesto embasado num amor muito puro é uma maneira de questionar a moral e as leis vigentes?

Pode ser, mas não era minha intenção. Queria apenas escrever sobre uma história de amor definitivamente proibida! Uma relação inaceitável não somente pelos personagens da família, pelos amigos. Queria escrever sobre um amor condenável universalmente!

E também quis dar ao leitor a oportunidade de pensar quão instantaneamente condenamos as pessoas que quebram tabus sem saber das circunstâncias que as levam a fazer isso. Não estou pedindo que decidam se incesto deve ser legal ou ilegal, certo ou errado. Apenas quero encorajar as pessoas a manterem suas mentes abertas.

Atualmente, como é seu dia a dia?

Minha vida é muito comum. Tento escrever todos os dias e também trabalho parte do dia lecionando para crianças. A depressão torna minha vida bastante difícil em algumas fases. Às vezes não consigo manter uma vida muito convencional. Nem sou uma pessoa convencional!

Você diz no seu site que “a depressão é um desejo muito forte de não viver”. Poderia nos falar mais dessa doença?

Depressão é um tipo de doença mental. Todavia, sofrer de depressão ou de qualquer outra doença mental não significa que você é louco. Significa apenas que há um desequilíbrio químico em seu cérebro.

Depressão pode acometer qualquer pessoa. Robin Williams [ator que se suicidou no mês passado] é um exemplo. Ele era muito inteligente, extremamente talentoso e rico. Nada impediu que sofresse de uma terrível depressão. A verdade é que uma a cada quarto pessoas sofre de alguma doença mental, 20% das mortes de jovens são por suicídio. É a forma de morte mais comum para homens com menos de 35 anos.

Depressão é uma doença muito perigosa, mas pode ser tratada e curada. Só que você tem que expressá-la, é a única maneira de conseguir ajuda.”

Fonte: Folha 

Bom, era isso. Só sei de uma coisa: irei ler mais livros dessa escritora!

Até a próxima ;*

Carol
Carol

Pesquisas recentes:

Tabitha Suzuma entrevista

E aí? Gostou? Comente aqui o que você achou!