Cidades de Papel

Daniel PereiraOi, pessoal! Tudo bem? Hoje eu vou falar sobre livro Cidades de Papel. Outro romance do John Green que foi confirmado para ser adaptado para as telonas. Eu sou o tipo de pessoa que gosta de ler o livro antes de assistir ao filme, então decidi fazer dessa forma com Cidades de Papel: primeiro o livro e depois o filme. Eu já tinha lido A Culpa é das Estrelas e gostei bastante, então já esperava algo bom desse livro também. Ouvi sempre opiniões muito opostas sobre o livro, ou a pessoa tinha amado ou então tinha achado um saco. Então vou falar um pouco da história e depois a gente vê o que eu achei…

Neste livro vamos acompanhar um garoto chamado Quentin Jacobsen (primeira vez que leio um nome desses…), mais conhecido por seus amigos como Q (bem melhor…). Q está no último ano da escola. A preocupação de alguns pode ser a faculdade ou até as provas finais, mas muitos garotos e garotas estão mais preocupados com o baile de formatura, em conseguir um par, o que vão usar no baile e coisas desse tipo. Q não curte muito o baile então não se preocupa com isso, diferente de seus amigos, Radar e Ben. A preocupação de Q agora tem nome e sobrenome: Margo Roth Spiegelman.

Margo Roth Spiegelman é vizinha de Q desde sempre praticamente, eles costumavam brincar, iam a um parque próximo e faziam coisas de criança. Até que um dia eles encontraram o corpo de uma pessoa morta no parque. Margo fez um trabalho de detetive, mesmo sendo apenas uma criança, e conseguiu informações sobre quem era o homem, como ele se matou e até os motivos que o levaram a fazer isso.

O tempo passou e Q e Margo não se falavam mais como antes. Ela cresceu e se tornou muito popular na escola, quase que uma autoridade entre os alunos, uma referência. Os boatos que corriam sobre coisas que já aconteceram com ela faziam dela uma pessoa mais especial ainda. Margo e Q ainda eram vizinhos, mas não se falavam muito. Até que um dia Margo Roth Spiegelman aparece na janela de Q e diz que precisa de um carro e de um motorista para realizar uns planos que ela tinha bolado. Q passa horas com ela e eles viram a noite juntos, vagando pela cidade enquanto ela apronta muitas coisas com algumas pessoas. Digamos que os planos dela envolvem peixes, um gel depilador, lata de spray, o Sea World e mais algumas coisas…dá pra imaginar o que vem pela frente? Acho que a resposta é não!

Depois dessas maluquices Margo Roth Spiegelman desaparece da noite para o dia. Ela já havia feito isso antes, mas sempre voltava. Ela já desapareceu algumas vezes e deixava pistas para que os pais soubessem para onde ela foi, como quando fugiu para o Mississippi e deixou sobrando na tigela as seguintes letras de uma sopa de letrinhas: um M, um I, um S e um P. Ela ficou decepcionada quando descobriu que seus pais não desvendaram sua pista…

Gostei muito desse trecho do livro: “Margo sempre adorou um mistério. E, com tudo o que aconteceu depois, nunca consegui deixar de pensar que ela talvez gostasse tanto de mistérios que acabou por se tornar um.

Como eu disse, Margo sumiu novamente, mas dessa vez ela não deu as caras por muito tempo, muito tempo mesmo! E então Q começa a achar pistas que Margo deixou, e dessa vez parece que as pistas foram deixadas para ele (talvez por causa das aventuras que eles tiveram juntos antes de Margo desaparecer do mapa). Para onde Margo foi? Já faz muito tempo que ela está desaparecida. Estaria ela viva ainda? Algumas coisas em suas pistas indicam que ela talvez tenha se matado…será que ela acabaria sendo encontrada morta que nem Q e ela própria encontraram aquele corpo no parque anos atrás? 

Enquanto Q está preocupado em encontrar Margo, todos acham que ela só quer um pouco de atenção e afirmam que ela aparecerá em breve, com uma entrada teatral e todos vão voltar a venerá-la como sempre. Será que eles estão certos? Só lendo para saber!

 

Cidades de Papel Capa do Filme Cartaz John GreenVou tentar ser breve para finalizar o post e falar o que eu achei. Bom, eu gostei bastante de A Culpa é das Estrelas e esperava algo no mesmo nível, já que Cidades de Papel é do mesmo autor, John Green. #SóQueNão bem grande para o JP né?! Fiquei um pouco decepcionado com o livro. Esperava mais dele. Algumas partes se passam bem lentamente (a grande maioria) e poucas são as partes que você se pega virando intensamente uma página atrás da outra para saber o que vem pela frente. 

Como eu disse no começo, ouvi opiniões opostas sobre o livro: ou a pessoa amou ou achou um saco. Nunca um meio termo… pois eu sou o meio termo, porque não amei e nem achei um saco. Algumas passagens eu gostei de ler e o livro até me arrancou algumas risadas, mas não conseguiu me prender e me envolver. Eu ficava meio que “ta, quando que alguma coisa interessante vai acontecer João Verde???”. João Verde é o John Green ta? Não sou o único a brincar com isso, sou?

Enfim, Já saiu o trailer da adaptação de Cidades de Papel e eu vou deixar aqui embaixo. Logo depois vou dar minha avaliação para o livro e lembrem que se vocês já leram, também podem avaliar e me contar o que vocês acharam. Cidades de Papel estreia no dia 9 de julho de 2015, estou ansioso para ver como ficou.

Minha avaliação:

A avaliação de vocês:

 

É isso, pessoal! Fico por aqui. Sintam-se à vontade para compartilhar o post, divulgar, comentar e me contar o que vocês acharam do livro. Muito obrigado pela atenção, um grande abraço e até o próximo post!

Compare os preços deste livro clicando aqui
Ou veja o preço na loja de sua preferência:
Cultura Saraiva Submarino
JP
JP

Especificações Técnicas

Especificações técnicas:

ISBN: 8580573742

ISBN-13: 9788580573749

Idioma: português

Encadernação: Brochura

Edição: 1ª

Ano de Lançamento: 2013

Número de páginas: 368

Editora: Intrínseca

Fonte: Livraria Cultura 

Pesquisas recentes:

talvez eu viva em cidades de papel com ruas de papel, texto teatral a cidade de papel, peça teatral do livro cidades de papel, peça teatral sobre o livro cidades de papel, texto teatral cidades de papel
JP

JP

Fascinado pelo Mundo de Magia e Bruxaria criado por J.K. Rowling e louco pelos romances policiais de Harlan Coben, JP está realizando seu sonho de criar sua própria biblioteca em casa e agora sonha em publicar um de seus vários projetos já iniciados. É apaixonado por livros e deseja passar essa paixão adiante, tocando as pessoas com sinceridade, diversão e cultura.
JP

Últimos posts por JP (exibir todos)

JP

Fascinado pelo Mundo de Magia e Bruxaria criado por J.K. Rowling e louco pelos romances policiais de Harlan Coben, JP está realizando seu sonho de criar sua própria biblioteca em casa e agora sonha em publicar um de seus vários projetos já iniciados. É apaixonado por livros e deseja passar essa paixão adiante, tocando as pessoas com sinceridade, diversão e cultura.

4 comentários em “Cidades de Papel

  • 12 de junho de 2015 em 19:08
    Permalink

    O final do livro me deixou pasma! Esperava algo mais para Margo e Q. Fiquei me perguntando "Gostei ou não deste livro?". Então quando li que você disse que é o Meio termo, consegui me encontrar em relação a esse livro. Também faço parte do Meio termo. Não amei, mas também não achei um saco.
    A propósito, ótimo post!

    Resposta
  • 30 de junho de 2015 em 16:38
    Permalink

    Oi, Cristina! Somos o meio termo!! Hahahaha eu também esperava mais…
    Muitíssimo obrigado pelo elogio e pela participação com o comentário!

    Resposta
  • 11 de setembro de 2015 em 15:39
    Permalink

    Eu não esperava muita coisa do livro.Minha única aventura foi a busca incessante de Q, mas ele endeusava Margo de uma tal forma que acho que foi ele quem ficou decepcionado e não eu ao ler o livro. O mito 'Margo' era só uma adolescente emo com problemas de identidade. Não amei, mas serviu para distrair minhas tardes entediantes no trabalho. Ótimo post!!

    Resposta
  • 11 de setembro de 2015 em 12:41
    Permalink

    Eu não esperava muita coisa do livro.Minha única aventura foi a busca incessante de Q, mas ele endeusava Margo de uma tal forma que acho que foi ele quem ficou decepcionado e não eu ao ler o livro. O mito ‘Margo’ era só uma adolescente emo com problemas de identidade. Não amei, mas serviu para distrair minhas tardes entediantes no trabalho. Ótimo post!!

    Resposta

E aí? Gostou? Comente aqui o que você achou!