Trilogia Incarnate: Almanegra – Livro 2

Resenha Almanegra Trilogia Incarnate Jodi Meadows Livro CapaOlá, pessoal! Hoje venho aqui falar de Almanegra, a continuação de Almanova, da Jodi Meadows, publicado pela Valentina (Me dá um V, me dá um A…parei, parei).

Eu não posso deixar de falar da capa, não é mesmo? Jesus!! Que capa maravilhosa! A primeira já é linda, mas você, assim como eu, percebe a mudança? Notem que está com cores mais sombrias, apesar de ainda serem cores alegres, e o olhar neste rosto está um pouco mais pesado, demonstrando exatamente o que está para acontecer no livro.

Mas enfim, não vou ficar aqui divagando sobre a capa quando eu não sou expert no assunto. (Mas a capa é lindaaaaa! Pronto parei).

 

Vamos à sinopse:

Ana sempre foi a única. Marginalizada. Apartada. E, para piorar, após o Escurecimento do Templo causado por seu pai, vários cidadãos de Heart a culpam pela perda definitiva de algumas almas, as almasnegras — e pelas almasnovas que nascerão em seu lugar. Muitos temem a presença de Ana, um lembrete constante das mudanças irreversíveis. E quando as sílfides começam a se comportar de maneira diferente em relação a ela, Ana terá que aprender não apenas a se defender como àqueles que não podem fazer isso por si mesmos. Ana aprendeu desde cedo que os sem-alma não podem amar. Mas, e as almasnovas? Mais do que tudo, ela deseja ter a chance de viver e amar como qualquer outro cidadão de Heart, porém mesmo depois de Sam declarar seus mais profundos sentimentos, será que ela conseguirá superar uma vida inteira de rejeição e aceitar o amor? Almanegra explora a beleza e as profundezas sombrias da alma, numa história que é ao mesmo tempo um romance épico e uma fantasia cativante.

Eu devo dizer que este livro, com certeza, entrou para minha lista de “Vou Ler de Novo Daqui Seis Meses’, o que significa que eu gostei mesmo. Acho que qualquer coisa que eu disser vai ser considerado um quase-spoiler, então vou tentar simplificar o tanto que eu puder.

Neste segundo livro da série, percebemos que Ana está ainda mais em apuros. Quando pensa que todos a deixarão em paz por conta das regras criadas pelo Conselho de Heart, ela se vê sendo culpada pelo o que houve no templo de Janan e pela morte de vários habitantes que se tornam almanegras e correm o risco de não reencarnar.

Eu a admiro mais do que deixei parecer no primeiro livro. Ana, por mais que muitos a ignorem e a impeçam de tomar um rumo na vida e aderir a uma função como todas as outras almas da cidade, ela se esforça para aprender e se dedicar ainda mais que os outros, por isso ela tem tantos talentos quanto as almas velhas (eu carinhosamente apelidei esse povo preconceituoso com este nome). Pensa em uma pessoa que tenta mostrar à sociedade que ela pode ser igual a todos. Esta é Ana.

Enquanto isso, as Sílfides se tornam um problema ainda maior – para quem não se lembra, elas são sombras mortais que queimam qualquer um que ousam surgir em sua frente -, elas começam a ter umas atitudes estranhas quando perto de Ana. Mas não vou explorar muito esse assunto, porque, como eu disse, qualquer falta de atenção minha implicará em soltar spoilers. Mas acredite quando eu digo que elas têm muita importância nesse livro.

Agora vamos falar de amor (*-*). Sam e Ana estão cada vez mais próximos e depois que ele declara seu amor por ela em Almanova, eles vivem as mil maravilhas. É claro que eles enfrentam muitos problemas, primeiro por terem 5.000 mil anos de diferença e depois por causa da sociedade agir como se ela tivesse lepra e rejeitá-la. Adorei como a Jodi não deixou de fora a parte da música de Sam e suas habilidades. Um amor que faz o improvável parecer lenda.

Almanegra é um livro de tantas emoções que às vezes precisei voltar algumas páginas para ver se tinha sido aquilo mesmo que eu li, tipo ” Não! É sério isso?”.  E tem muitas aventuras, muitas criaturas místicas e até mesmo partes engraçadas. O humor de Ana melhorou um pouco, tenho de admitir.

Minha avaliação:

A avaliação de vocês:

 

Eu disse que não ia escrever muito, mas olha aí! Vou ler para ontem o terceiro livro, porque né? Do jeito que terminou, me levou a uma quase sincope, fiquei “Tá faltando página nesse livro, sociedade!”. Então podem aguardar que logo mais terão a resenha de Infinita aqui.

Não deixe de acompanhar a Editora Valentina pelo site e nas redes sociais: SiteFacebook, YouTube, Twitter e Instagram.

Obrigadinhaaa

Compare os preços deste livro clicando aqui
Ou veja o preço na loja de sua preferência:
 Cultura Saraiva Submarino 
Bruu
Especificações Técnicas

Especificações técnicas:

ISBN: 8565859673

ISBN-13: 9788565859677

Idioma: português

Encadernação: Brochura

Edição: 1ª

Ano de Lançamento: 2015

Número de páginas: 336

Editora: Valentina

Fonte: Livraria Cultura

Bruu

Bruu

Viciada em leitura, mas apaixonada por números, o ápice da contrariedade. Tem uma queda maior por romances e finais felizes, mas ama as lágrimas que os livros de drama causam. A meta do ano é publicar um livro próprio. A meta da vida é viver e ler, mesmo quando não puder mais.
Bruu

Bruu

Viciada em leitura, mas apaixonada por números, o ápice da contrariedade. Tem uma queda maior por romances e finais felizes, mas ama as lágrimas que os livros de drama causam. A meta do ano é publicar um livro próprio. A meta da vida é viver e ler, mesmo quando não puder mais.

E aí? Gostou? Comente aqui o que você achou!