A Gigantesca Barba do Mal

Olá, pessoal, tudo bem? Hoje eu vou contar para vocês um pouquinho da minha experiência com A Gigantesca Barba do Mal, a primeira HQ de Stephen Collins. É a minha primeira resenha aqui no CPL e eu estou um pouco nervosa, mas espero que gostem!

O livro conta a história de Dave, um morador da ilha de Aqui. Dave nasceu careca, sem pelo nenhum no corpo, exceto pela sobrancelha e por um fiozinho entre o nariz e boca, que insiste em ficar ali. Todos os dias Dave se dedica ao seu trabalho em uma das corporações de Aqui e ao seu hobby: desenhar a vizinhança do outro lado da janela ouvindo o hit Eternal Flames, do The Bangles.

A ilha de Aqui é “perfeita”. As casas são todas iguais, em ruas e esquinas perfeitamente simétricas e proporcionais. Todos os habitantes seguem padrões rigorosamente definidos. As rotinas são estritamente definidas e maçantes. Ninguém fala do mundo de Lá, além do mar. É um tabu e não se deve pensar muito nisso. Até o dia em que tudo isso é colocado em cheque.

Os acontecimentos se desenrolam quando Dave, em um dia de trabalho, percebe que os gráficos que teria que apresentar estão caóticos, fora do padrão e ele não sabe o que isso significa. Durante a apresentação, quando questionado, o seu único pelo entre o nariz e a boca se multiplica, e começa a crescer uma barba, assustando a todos do cômodo e, logo, os habitantes da ilha. Agora Dave e todos os outros habitantes tem que aprender a lidar com essa situação adversa.

O primeiro ponto é que o traço desse quadrinho é incrível e parte fundamental da história. Os desenhos falam com a gente, rompendo com os enquadramentos tradicionais e cativando ainda mais a nossa atenção. A ilustração conversa com a gente de um jeito diferente, ela é simbólica, delicada e viva. Vejam algumas imagens abaixo:


É admirável como Stephen condensou em uma graphic novel tantos assuntos diferentes. Ou melhor, tantas críticas e questionamentos. A cada página nos deparamos com aspectos pessoais e sociais a serem discutidos, por exemplo: insegurança, padrões, rotina, trabalho, medo, intolerância, conceito de ordem, de desordem, entre outros.

Tenho para mim que cada pessoa pode interpretar os acontecimentos de uma forma, ver algo diferente, pois está muito atrelado com a vivência e a cabeça de cada um. Mas com certeza você vai acabar essa leitura com alguns questionamentos.

Apesar de abordar tantos assuntos (e são assuntos densos), de certa forma, a leitura é leve, fluida e rápida. Todos esses temas são abordados de forma sutil, deixando grande parte das indagações por conta do leitor. Essa HQ tem tudo para se tornar um clássico e tem o que ensinar para o público de todas as idades.

Minha avaliação:

A avaliação de vocês:

 

Espero que vocês tenham gostado da resenha de A Gigantesca Barba do Mal. Com certeza essa HQ irá entrar para a lista das minhas preferidas, e já deixou uma saudade enorme no coração. Stephen Collins já está trabalhando em outro projeto, e ele é um autor que vale a pena ficar de olho.

Beijos!

Compare os preços deste livro clicando aqui
Ou veja o preço na sua loja de preferência

 Cultura Saraiva Submarino

Especificações Técnicas

Especificações técnicas:

ISBN: 8582863217

ISBN-13: 9788582863213

Idioma: português

Encadernação: Brochura

Edição: 1

Ano de Lançamento: 2016

Número de páginas: 240

Editora: Nemo

Fonte: Amazon

Thai

Thai

Thai é uma pessoa apaixonada por histórias e magia. Acredita que os livros são grandes amigos que ajudam os leitores a se compreenderem melhor, e aos outros também, além de sempre serem uma ótima companhia. Assim como sua coleção, sua lista de livros a serem lidos cresce constantemente. Deseja passar para as pessoas as mesmas emoções que sente sempre que termina uma leitura.
Thai

Últimos posts por Thai (exibir todos)

Thai

Thai é uma pessoa apaixonada por histórias e magia. Acredita que os livros são grandes amigos que ajudam os leitores a se compreenderem melhor, e aos outros também, além de sempre serem uma ótima companhia. Assim como sua coleção, sua lista de livros a serem lidos cresce constantemente. Deseja passar para as pessoas as mesmas emoções que sente sempre que termina uma leitura.

E aí? Gostou? Comente aqui o que você achou!