Deuses Americanos

Olá, pessoal, como vocês estão? Hoje vou falar um pouquinho sobre Deuses Americanos, um dos livros mais conhecidos de Neil Gaiman, e tido por muitos como um clássico contemporâneo da fantasia.

Faltam pouquíssimos dias para Shadow Moon (que nome maravilhoso <3) sair da prisão, onde esteve por 3 anos, quando algo inesperado acontece. Shadow irá embora dois dias mais cedo e o motivo é a morte de sua esposa, Laura, que sofreu um acidente de carro. Shadow era era muito apaixonado por ela. No caminho de volta para casa, Shadow conhece o misterioso Sr. Wednesday, homem para o qual começa a trabalhar imediatamente. O trabalho é um tanto peculiar e consiste em acompanhar o senhor em algumas visitas a amigos em diferentes lugares pelos Estados Unidos, convocando-os para uma guerra entre os deuses antigos e os deuses novos.

O que parecia ser um trabalho simples, acaba se tornando perigoso e cheio de segredos. Logo vemos que o Sr. Wednesday não é muito querido pelos seus amigos, é um velho prepotente e arrogante. Já no começo de sua jornada, Shadow é exposto a situações que não consegue explicar, confusas, onde tem muita informação para absorver e pouco tempo para isso. Aventuras mágicas, pessoas peculiares, lugares novos.

Em paralelo à narrativa principal, entre um capítulo e outro, acompanhamos histórias que aconteceram há muito tempo e que contribuem para o todo, ou situações que estão acontecendo simultaneamente em outro local dos Estados Unidos.

De início, achei Shadow meio sem personalidade. Sua vida estava de cabeça para baixo, ele aceitava as situações mais absurdas muito facilmente e isso me incomodava um pouco. Porém, com o decorrer da história, e conforme vamos tomando conhecimento sobre seu passado, os seus anseios, é impossível não se envolver. O livro é divido em 4 partes, de acordo com o desenvolvimento de Shadow e o decorrer da guerra.

O intuito de Gaiman ao escrever esse livro era retratar a história da fé dos americanos, pois, segundo ele, os Estados Unidos não tinham uma história forte de mitologia, um apego aos deuses, não tinham seus próprios deuses. Devo dizer que ele encontrou uma maneira incrível de retratar esse tema, desde a origem do povo americano e a chegada de várias crenças diferentes no país. Nos tempos atuais, é um prato cheio para falar sobre imigração, visto que o país é formado, em sua essência, por imigrantes.

O livro é uma roadtrip pelo interior do país e essa viagem de carro foi feita pelo próprio autor enquanto escrevia o romance – na edição que eu li tem várias fotos dos lugares que me ajudaram muito a visualizar a realidade de Shadow, mas ainda precisei verificar o mapa algumas vezes haha. Como somos expostos aos mais variado tipos de deuses, a história é repleta de magia e fantasia, o que deixa tudo mais bonito. As descrições são impecáveis, é como se estivéssemos vendo o mesmo que os personagens e ficando tão surpresos quanto Shadow.

O grande segredo do livro é ele: Shadow. Como dito, no começo, eu não estava me afeiçoando muito a ele, porém, quando conclui a leitura, pude perceber que seu desenvolvimento e crescimento era uma grande metáfora para o próprio país. Além disso, acredito que vale dizer que, no livro, absolutamente nada é por acaso ou coincidência, e isso é uma lição tanto para Shadow quanto para nós: tudo que acontece tem um porquê e será surpreendentemente explicado no final.

O desfecho da história é um show à parte. Não vou entrar em detalhes por motivos óbvios, mas eu não poderia ter amado mais essa conclusão. Apesar de ela circular ao redor de Shadow, conhecemos outros personagens tão cativantes quanto ele, deuses ou humanos. Me deparei também com vários deuses dos quais nunca tinha ouvido falar e que tem histórias um tanto quanto peculiares, é inevitável não dar ir ao google pesquisar um pouquinho. Em relação aos novos deuses, bem, eles estão aqui entre nós, sendo eles a Internet e a Media, por exemplo.

Enfim, é um livro grande, denso e maravilhoso. Não é uma leitura rápida e simples, mas vale a pena, porque acredito que Neil Gaiman sempre vale a pena, ele sabe como construir uma história e tocar na alma. O livro desperta várias emoções, é cheio de sarcasmos, ironia, tristeza, reflexão, delicadeza e amor. E provavelmente quando você estiver esperando por alguma coisa, vai ser surpreendido.

Espero que vocês tenham gostado dessa resenha, achei melhor esconder alguns detalhes da história porque acredito que seu grande trunfo seja a surpresa e a autodescoberta. Foi uma experiência de leitura muito diferente do que estava acostumada, mas que me deixou maravilhada e com aquela sensação de ler um livro que te mudou um pouquinho.

Ah, e em 2017 (a previsão era para o começo do ano) teremos a série sobre esse livro, e, se eu fosse você, correria para ler antes de assistir. Neil Gaiman está participando de todo o processo, e, há boatos de que irá escrever alguns episódios. O trailers estão incríveis haha.

Beijos,

Compare os preços deste livro clicando aqui
Ou veja o preço na sua loja de preferência

    

Especificações Técnicas

Especificações técnicas:

ISBN: 8551000721

ISBN-13: 9788551000724

Idioma: português

Encadernação: Brochura

Edição: 1

Ano de Lançamento: 2016

Número de páginas: 576

Editora: Intrínseca

Fonte: Amazon

Pesquisas recentes:

leitura analitica do livro deuses americanos
Thai

Thai

Thai é uma pessoa apaixonada por histórias e magia. Acredita que os livros são grandes amigos que ajudam os leitores a se compreenderem melhor, e aos outros também, além de sempre serem uma ótima companhia. Assim como sua coleção, sua lista de livros a serem lidos cresce constantemente. Deseja passar para as pessoas as mesmas emoções que sente sempre que termina uma leitura.
Thai

Últimos posts por Thai (exibir todos)

Thai

Thai é uma pessoa apaixonada por histórias e magia. Acredita que os livros são grandes amigos que ajudam os leitores a se compreenderem melhor, e aos outros também, além de sempre serem uma ótima companhia. Assim como sua coleção, sua lista de livros a serem lidos cresce constantemente. Deseja passar para as pessoas as mesmas emoções que sente sempre que termina uma leitura.

E aí? Gostou? Comente aqui o que você achou!